O ano mal começou e eu já tenho novidades sobre as mudanças que aconteceram por aqui nos últimos meses… Então façam as malas, confiram se seus cintos de segurança estão bem afivelados porque vamos passar por uma pequena zona de turbulência nas próximas linhas.

Queria voltar um pouquinho no tempo, no dia que eu postei esse texto aqui “Porque vim morar no México” e dizer que quando eu postei ele, tudo que vou contar agora já estava acontecendo. A verdade é que o ano de 2017 foi um dos anos mais difíceis e tristes que já vivi. Porém, ao mesmo tempo, foi o ano que mais fui grata e que me transformou numa pessoa melhor. Nunca mais eu verei a vida do mesmo jeito.

Há exatamente um ano perdemos uma pessoa muito especial na família. Durante todo o ano de 2017 fizemos tratamento de fertilidade e 2 fertilizações in vitro negativas, 3 terremotos e no meio disso tudo, recebemos uma oferta de transferência para outro país e… nos apaixonamos pelo México.

Teve épocas que os dias e meses demoraram a passar, o desespero bateu e a consciência de que temos QUASE NENHUM controle sobre algumas da vida se revelou. Hoje eu vivo sem culpa, porque finalmente entendi que se tivesse dependido só de mim, nunca, jamais deixaria que a vida tomasse esse rumo… mas por algum motivo, foi assim. E tentei ao máximo passar por tudo isso consciente e aprendendo a cada etapa. 

O México talvez tenha sido o lugar perfeito pra tudo isso acontecer. Muitas vezes me perguntei no alto do desespero em posição fetal na cama: Por que aqui, agora, longe de tudo e de todos? E a única resposta que veio a minha cabeça foi: As cores daqui vão te alegrar, a cultura vai te mostrar um outro lado da história e o povo vai te ensinar a superar e sorrir mesmo no meio de toda adversidade. Porque foi exatamente isso que o país fez por nós, apesar da dor que infelizmente vivemos por ele e na nossa vida pessoal, fomos acolhidos com uma receptividade jamais vista em outro lugar.

Por isso que essa mudança mexeu tanto comigo e me deixou na dúvida, porque ao mesmo tempo que “a festa estava ficando boa”, o pânico do terremoto ainda me assombrava, e muito… É uma mistura de querer fugir e ficar. Foi como acabar um relacionamento a distância ainda gostando, sabe? Ou um daqueles amores de verão que a gente sabe que uma hora vão acabar. #brokenheart 

Além disso as negociações iniciaram em fevereiro 2017 e tínhamos chegado em agosto de 2016, ou seja, imagem como ficou a nossa cabeça! Sensação de pertencimento zero.. Num tava nem aqui, nem no México, nem no Brasil  😯 Sem contar pra ninguém… Gueeeenta corazón!

(Ainda quero fazer um post com uma visão mais prática
do que foi viver lá, mas o de hoje vai ser todo sentimental mesmo).
VOU ABRIR MEU CORAÇÃO!

♥ Eu amei morar no México ♥

Ele é poesia e caos.

Para admirá-lo é preciso um pouco de sensibilidade e cuidado. Apesar de ser assustador  alguma vezes, também tem coisas incríveis pra mostrar, como uma barraquinha de tacos al pastor na esquina, uma praça com velhinhos dançando, crianças vestidas de Catrina, um reggaeton REQUEBRANTCHIII, uma noite de lucha libre e uma fé inabalável na vida e no amanhã .

E na saída, assim como fiz na entrada, falei com a Guadalupe (sim, a Virgem – e logo eu que ñ sou nem um pouco religiosa) pra me despedir e agradeci por ela ter concedido e abençoado nossa entrada em seu país… e ela, vejam só, me respondeu novamente: – Minha querida, tudo que você vai precisava aprender para essa nova fase, nós te oferecemos. Seja feliz em seu novo caminho. ps: mas eu sempre estarei com você ♥ 

E assim “Dejé mi corazón en México”

Sou imensamente grata por tudo e todos que conheci, sem dúvida faria tudo novo.

aaaai aaaai – pausa pro suspiro.


E Ivana, pra onde vocês foram?

Bom, acabamos de chegar na cidade de Baton Rouge (significa Bastão Vermelho), colonização francesa, capital do estado da Luisiana (vizinho do Texas), sul dos Estados Unidos. Aqui é um dos lugares por onde o famoso Rio Mississipi passa, o que torna a região cheia de pântanos… Sim, bem aquele lugar onde os caras andam com aqueles barcos que tem tipo um “ventilador” de impulsão, não sei o nome haha ou que tem uma cadeira de balanço na varanda das casas, sabe?  😛 

Por ficar apenas há 1h30 da cidade de New Orleans ♥ teve um grande crescimento populacional após o Furacão Katrina (2005) e hoje conta com uma média de 230 mil habitantes. O clima é quente e úmido, o que já provocou enchentes há anos atrás.

Baton Rouge é uma típica cidade americana onde só se anda de carro, as casas não tem portão, não é muito turística, é limpa, os centrinhos comerciais alimentam os bairros e tem um time de futebol da universidade. Aliás, a LSU (Louisiania State Universtity) é gigante, igualzinha aquelas faculdades de filme.

Bem, se bem que aquí TUDO parece filme, nossa memória dos filmes da Sessão da Tarde voltam com tudo né haha Aqueles bairros com casinhas fofas, meio Simpsons, meio Family Guy, meio Forest Gump. Bem surreal ainda. A parte engraçada é que eu descobri que realmente vários filmes foram gravados aqui hahaha olha essa lista: Twilight – 1a parte da última parte haha, Pitch Perfect, GI-JOE, Blaze Runner… Morta com farofa haha (clique aqui e veja a lista completa)

E talvez seja por toda essa tranquilidade “de cinema” que topamos mudar. Após morar em vários Airbnbs na Cidade do México, e mudar pra um 3o país em menos de 2 anos… o que mais queremos agora é CRIAR RAÍZES, PENDURAR QUADROS, TER ROTINA e ficar em um lugar PARADO por mais de DOIS ANOS haha Quem escuta falar isso, sem saber do nosso contexto, pensa que somos as pessoas MAIS PACATAS do mundo, mas não, justamente ao contrário. Chegamos no nosso limite de desapego. Queremos um lar, um dog (talvez) e paz.

E antes de encerrar, tenho que confessar que sempre fui muito mais EUROPEAN DREAMER que AMERICAN DREAMER. Nunca pirei com os Estados Unidos. Respeito e tal… mas pra morar, nunca foi algo que imaginei. No momento, tô toda cagada, cheia dos preconceitos que aparecem bem quando você chega num lugar novo e já comentei esse processo nesse post – clique aqui. Mas tô louca para que todos eles sejam superados.

Quero muito abrir meu coração e mente pra o que essa terra calma vai me trazer 🙂 Melhorar o inglês, aprender a dirigir (tenho uma história complicada com isso), fazer amigos – AÍ JÁ NÃO VOU PROMETER NADA NÉ HAHAHA – conhecer o interior do país, a comida, costumes e como tudo se transforma nas 4 estações.

Como o México me reservou emoções e aprendizados, e me deu todo um background de conhecimento – como Lupita afirmou – tenho certeza que com os Estados Unidos não vai ser diferente! Cross your fingers ou, abrasileirando mesmo: QUE A DEUSA TE ABENÇOE, MINHA FIA!

ps: A mãe da Beyoncé é desse estado e eles sempre estão em New Orleans! Já imaginou eu dar de cara com a Blu Ivy na ruaa?!! hahaha Aquelas fã bem loca né  😀  “My daddy Alabama, Mama Louisiana” – já dizia Formation.


E aí, animados pra viver essa aventura comigo? Sim, eu também nunca tinha ouvido falar de Baton Rouge…

  • No México postei MILHARES de stories (videozinhos do Instagram) monstrando um pouco da cultura, aqui ñ vai ser diferente. Por isso, se quiser acompanhar segue a gente lá! É só clicar aqui e dar um follow 😛
  • As fotos do México são de própria autoria.
  • Ficou com alguma dúvida? Manda nos comentários!

7 Comments

  1. Ivana, sua linda, estou certa de que, apesar dos contratempos, você cresceu muito durante o ano que passou no México…desejo do fundo do meu coração que essa nova etapa traga muitas realizações e alegrias pra vocês!
    Se despir de preconceitos é difícil, uma desconstrução diária, mas aproveite com todas as forças as oportunidades que o universo tem trazido pra vocês e sejam muito felizes no novo país!

    Não vejo a hora de ler seus relatos e me sentir passeando com você por aí! Beijo grande <3

  2. Aaaaaaaa você tá morando do ladinho de New Orleans, que sonho! Quero muito conhecer aí. Amei seu post, sobre mudanças e gratidão por tudo ter acontecido, mesmo que muitas coisas ruins aconteceram, acho que tudo acontece por um motivo né?

  3. Ivana, torço muito por essa nova fase !! Certeza que será uma experiência de aprendizados e crescimento ! Quero acompanhar tudo por aqui !! Ah, vc falou sobre problema pra dirigir , tb passei por isso é só foi curado com terapia 🙂 ! Não sei se o seu problema era o mesmo que eu tinha , mas te garanto que pode ser superado !! Beijo grande !

  4. O México, pra mim, foi um respiro no coração! E olha que foi só um mês que fiquei por lá. É incrível como um lugar pode ser capaz de “te abraçar” e mostrar que vai ficar tudo bem. Fico feliz por você ter enfrentado e superado todas essas coisas, não é pra qualquer um conseguir ter essa visão e se manter firme. Você é muito forte e estou certa de que tudo vai melhorar cada vez mais! 🙂 Vou ficar na torcida para que você seja muito muito feliz no novo lar <3

  5. amorzinho de post! estaremos com vc onde vc estiver e torcendo para o seu sucesso e paz. eu quero um dog ameriano que tenha latido em inglês. PORFAVORZINHO. <3

  6. Que amor, Ivana! Além de me fazer rir você também me fez chorar hhahaha fiquei emocionada com a sua história, você tem um jeito muito sincero e autêntico, com desenhos e com palavras. Desejo MUITAS felicidades pra vocês, de ❤️.

  7. Aaah Ivana, conheço tanto essa sensação de mudança… Cheguei a São Paulo faz 3 meses, sozinha com meu marido e filhos, pela primeira vez longe da minha família toda! Ele a 7 anos deixou a dele na Bahia e foi pra Curitiba, onde nos conhecemos. Já me mudei tanto, mas nunca tinha saído do sul do Brasil, depois dos meus 6 anos… Com 1 ano fui pra Portugal e voltamos quando eu tinha quase 5 e uma irmã nascida lá a tira colo! Kkkkkk Porém sei essa sensação de querer parar num lugar ter raízes, laços… Depois de um tempo, depois de 13 anos em Curitiba, conhecer o marido e a quinta proposta de transferência não tinha como negar, e começamos novamente minha vida nômade kkkkk te desejo muita luz e muita sorte nessa sua nova caminhada! Adoro seu insta, suas tirinha e não comprei nada ainda, porque sou do laarrrrrrr, mas se Deus quiser esse ano consigo meu estágio e din din só pra mim! Hahahahahahahaha

Write A Comment